19.5.06

começamos

Zeh.

7 comentários:

cimples jr disse...

Eu vou fazer a minha pode, pode. Eu quero jogar tambem!
Bem legal, zEH!?

dwski disse...

claro! a proposta é que quem quiser participe e interfira como quiser na situação.

Z.eh disse...

Réguas?!?!

Pra quê???

Anônimo disse...

O Putz eh que, no site dela, a garota faz apologias a Nick Hornby e critica sociedade dos poetas mortos e carpe diem...o que eh isso, na boa? Desmerecer algo que faz algum sentido, positivo ou negativo, que gera controversia, para favorecer um autor que fala um punhado de senso comum sobre musica e cultura pop, que nao gera muito debate, eh no minimo estranho.

Liv - a menina da foto disse...

DW, quer saber? DESISTO. Se você dá tanto valor a isso, vai fundo, monte um concurso para brincarem com a imagem da menina com o coelho. Pelo menos agora eu tô sabendo.

Anônimo disse...

Criança deveria brincar de pintar com os dedos, isso sim

Anônimo disse...

fake patient depriving factorys antioxidants dihydrate forces condemnation fourteen turbhe rcophth
semelokertes marchimundui








OLÁ! Meu nome é DW RIBATSKI.

PARABÉNS SR. ARTISTA PROFISSIONAL!

Meu trabalho é um enfrentamento dos arquétipos que transcendem o limite da existência multisensorial como projeção do imaginário dentro da realidade espaço/temporal através da fragmentação do não-ser do não-lugar e do não-qualquercoisa que cria terminologias para que a essencialidade primitiva da metáfora alcance o objeto por interação seja ela manifestação sensória heterogêna ou rizomática. Para tanto a (re)criação do objeto como obsoleto supõe através da reflexão e possivel mediação processual a aproximação da produção de um conceito de trabalho que estimule de forma financeira a produção. Toda perfomance que contempla o horizonte objetivo do ser através de múltiplas poéticas randômicas de dicotomia é analisada pelo sensível êfemero que através do urbano contemporâneo sintetiza signos dentro do cotidiano das relações e analogia a paradigmas ainda que se sustente por princípios que sintetizam sua própria subjetividade inerente. Ao passo contempla-se relações cacofônicas de multisentidos em obstrução à algum tipo de ruído imersivo dentro da idéia de Chade Picaminha e Piazón Deboesta.


‎"(...) Eu só pensei que deveria estar fazendo música. Parecia pra mim que esse era o próximo passo depois da POP ART, entrar diretamente numa forma popular de cultura ao invés de comentá-la."
KIM GORDON