8.1.09

CURITIBA VAI PARA O INFERNO





Dia 9 de janeiro (sexta), São Paulo recebe a primeira edição do festival Curitiba Vai Pro Inferno. Para aproveitar a nova e cultuada safra de bandas curitibanas, a Agência Alavanca reúne no Inferno Club alguns dos principais expoentes de uma cena que tem transformado a capital do Paraná em celeiro de bons sons.

Para completar, o Curitiba Vai Pro Inferno ganhou um cartaz assinado pelo artista plástico, quadrinista e professor de artes visuais (curitibano, claro) DW Ribatski, umas das partes da dupla Je Rêve de Toi.

Horários dos shows:

0h - ruído/mm
“Algo como um spaghetti-western-roqueiro-espacial - mas como é instrumental e feito em idioma rock, poderia ter vindo de qualquer lugar. Brasil, Brooklyn, Chicago…” (Joshua Klein, Pitchforkmedia)

1h - Heitor e Banda Gentileza
“Rock mais climático do que explosivo (tem guitarras etéreas, sax, trompete, casiotone) que (…) permite vislumbrar talento a ser lapidado - há letras acima da insipiente média nacional, melodias interessantes” (Marco Aurélio Cacônico, Folha de S. Paulo)

2h - Sabonetes
“Rock dançante, com pequeno tempero de disco music e letras cantadas em bom português” (Adriana Alves, Rolling Stone)

3h - Copacabana Club
“A banda parece ter um talento nato para construir melodias perfeitas, aliando guitarras de garagem e sintetizadores new wave. (…) Pop-rock do melhor feito no Brasil” (Thiago Ney, Folha de S. Paulo)


Curitiba Vai Pro Inferno
Shows: Copacabana Club, Sabonetes, Heitor e Banda Gentileza e ruído/mm
Discotecagem: Guga Azevedo (Rádio Lumen FM, Subtropicália)
Sexta-feira, 9 de janeiro de 2009, a partir das 23h
Inferno Club: Rua Augusta, 501 - Consolação - São Paulo, SP
R$ 10 (lista@infernoclub.com.br) e R$ 15 (porta)
(11) 3120-4140
www.infernoclub.com.br
www.lastfm.com.br/event/859023

Realização: Agência Alavanca
Apoio: Maamute Produções

:: Do you like it or not (Architecture in Helsinki)

Um comentário:

André Ramiro disse...

e foi tudo tão surreal...ahhaha








OLÁ! Meu nome é DW RIBATSKI.

PARABÉNS SR. ARTISTA PROFISSIONAL!

Meu trabalho é um enfrentamento dos arquétipos que transcendem o limite da existência multisensorial como projeção do imaginário dentro da realidade espaço/temporal através da fragmentação do não-ser do não-lugar e do não-qualquercoisa que cria terminologias para que a essencialidade primitiva da metáfora alcance o objeto por interação seja ela manifestação sensória heterogêna ou rizomática. Para tanto a (re)criação do objeto como obsoleto supõe através da reflexão e possivel mediação processual a aproximação da produção de um conceito de trabalho que estimule de forma financeira a produção. Toda perfomance que contempla o horizonte objetivo do ser através de múltiplas poéticas randômicas de dicotomia é analisada pelo sensível êfemero que através do urbano contemporâneo sintetiza signos dentro do cotidiano das relações e analogia a paradigmas ainda que se sustente por princípios que sintetizam sua própria subjetividade inerente. Ao passo contempla-se relações cacofônicas de multisentidos em obstrução à algum tipo de ruído imersivo dentro da idéia de Chade Picaminha e Piazón Deboesta.


‎"(...) Eu só pensei que deveria estar fazendo música. Parecia pra mim que esse era o próximo passo depois da POP ART, entrar diretamente numa forma popular de cultura ao invés de comentá-la."
KIM GORDON