22.2.10

COLAGEM




Fiz uma oficina de colagens gratuita no Instituto Cervantes, com o anglo-libanês, que morava a quantos anos na Espanha, o ótimo Sean Mackaoui. Foi super divertido, tive a sorte de fazer junto a artistas plásticos como o Fernando Burjato e a designer Renata Abelin (VICE), além de vários ótimos ilustradores, artistas e designers.

Só lembrando: essas colagens foram feitas todas à mão, ok?

O resultado final do meu trabalho foram várias colagens em um livro, que chamei de Genesys, seria a minha versão da Bíblia, com explicações visuais para a existência, meio que um manual. (coincidência que só lembrei do Crumb depois!):






"Matai todos e comei."



:: Keep the streets empty for me (Fever Ray)

4 comentários:

DW Ribatski disse...

PS: esses livros, imagens que usei achei num lixo perto de casa no dia do começo da oficina!

temporário disse...

invista nisso , ficaram excelentes!

bsamp disse...

sim, são ótimos!

Juliana Amato disse...

de novo: são ótimos.








OLÁ! Meu nome é DW RIBATSKI.

PARABÉNS SR. ARTISTA PROFISSIONAL!

Meu trabalho é um enfrentamento dos arquétipos que transcendem o limite da existência multisensorial como projeção do imaginário dentro da realidade espaço/temporal através da fragmentação do não-ser do não-lugar e do não-qualquercoisa que cria terminologias para que a essencialidade primitiva da metáfora alcance o objeto por interação seja ela manifestação sensória heterogêna ou rizomática. Para tanto a (re)criação do objeto como obsoleto supõe através da reflexão e possivel mediação processual a aproximação da produção de um conceito de trabalho que estimule de forma financeira a produção. Toda perfomance que contempla o horizonte objetivo do ser através de múltiplas poéticas randômicas de dicotomia é analisada pelo sensível êfemero que através do urbano contemporâneo sintetiza signos dentro do cotidiano das relações e analogia a paradigmas ainda que se sustente por princípios que sintetizam sua própria subjetividade inerente. Ao passo contempla-se relações cacofônicas de multisentidos em obstrução à algum tipo de ruído imersivo dentro da idéia de Chade Picaminha e Piazón Deboesta.


‎"(...) Eu só pensei que deveria estar fazendo música. Parecia pra mim que esse era o próximo passo depois da POP ART, entrar diretamente numa forma popular de cultura ao invés de comentá-la."
KIM GORDON