3.5.11

LANÇAMENTO LA NATURALESA SÃO PAULO


Fotos do lançamento na MERCEARIA SÃO PEDRO em SP.


Eu e o Rafa Coutinho (cabeça do projeto MIL)

Rômolo D'Hipólito e Lobo, editor da BARBA NEGRA.

Nina Kopko, uma das fotógrafas da noite.


Honra máxima: Laerte Coutinho prestigiando.


Laerte e Toninho Mendes (editor da saudosa e revolucionária CIRCO): mais honras!


Rômolo conversa com um dos responsáveis pela disseminação dos meus quadrinhos na internet: André Diniz.


DRINK: a primeira edição do projeto MIL. Feita pelo próprio Rafa Coutinho.


Amiga e artista plástica Yara Dewachter.

As edições da MIL são vendidas nos lançamentos, pessoalmente comigo, Rafa e Lobo e até agora em dois lugares: MERCEARIA SÃO PEDRO (R. Rodésia, 34 - Vila Madalena - São Paulo - SP Tel: (11) 3815-7200) e na ITIBAN (Av. Silva Jardim, 845 - Centro - Curitiba- PR Tel (41) 3232 5367)

:: Onde andará você? (Bonjour Pará)



Nenhum comentário:








OLÁ! Meu nome é DW RIBATSKI.

PARABÉNS SR. ARTISTA PROFISSIONAL!

Meu trabalho é um enfrentamento dos arquétipos que transcendem o limite da existência multisensorial como projeção do imaginário dentro da realidade espaço/temporal através da fragmentação do não-ser do não-lugar e do não-qualquercoisa que cria terminologias para que a essencialidade primitiva da metáfora alcance o objeto por interação seja ela manifestação sensória heterogêna ou rizomática. Para tanto a (re)criação do objeto como obsoleto supõe através da reflexão e possivel mediação processual a aproximação da produção de um conceito de trabalho que estimule de forma financeira a produção. Toda perfomance que contempla o horizonte objetivo do ser através de múltiplas poéticas randômicas de dicotomia é analisada pelo sensível êfemero que através do urbano contemporâneo sintetiza signos dentro do cotidiano das relações e analogia a paradigmas ainda que se sustente por princípios que sintetizam sua própria subjetividade inerente. Ao passo contempla-se relações cacofônicas de multisentidos em obstrução à algum tipo de ruído imersivo dentro da idéia de Chade Picaminha e Piazón Deboesta.


‎"(...) Eu só pensei que deveria estar fazendo música. Parecia pra mim que esse era o próximo passo depois da POP ART, entrar diretamente numa forma popular de cultura ao invés de comentá-la."
KIM GORDON